A Rede ODS Brasil tem estrutura organizacional horizontalizada, marcada pela autogestão com liderança compartilhada. Isto significa que há um processo de responsabilização individual e poder compartilhado, onde o modelo de Democracia Participativa prevalece sobre o modelo de Democracia Representativa.

A Rede ODS Brasil é constituída pelo conjunto de Grupos Temáticos. Cada Grupo é um nó da Rede.

Rede ODS Brasil

OS GRUPOS TEMÁTICOS - GT

1. Como são formados?

As instituições cadastradas na Rede ODS Brasil se aglutinam em Grupos Temáticos (Municipal, Estadual e Nacional) conforme sua área de atuação e expertise.

2. Como funcionam?

  • Os GT são instâncias de caráter deliberativas e independentes, ou seja, cada um tem autonomia para definir sua agenda de reuniões, plano de ação e coordenação. 

  • As decisões são tomadas pela maioria dos presentes nas reuniões virtuais e presenciais. Sendo que, em respeito à paridade, cada instituição tem direito a um voto.

  • Os GT devem valorizar os seguintes princípios:
    a) Diversidade: respeita a pluralidade de opiniões, favorecendo a participação de todos os públicos e entendendo a interdependência de cada um.
    b) Abundância: deixa fluir a riqueza que cada instituição oferta ao coletivo (articulação institucional, espaço físico, alimentação, material gráfico, conhecimentos, etc.) atribuindo igual valor aos diferentes tipos de riqueza.

    Atenção: a Rede ODS Brasil não pede e não aceita recursos financeiros. 
    c) Inteligência Coletiva: reconhece os diferentes talentos, permitindo que cada participante seja protagonista em algum momento.​​

  • Cada GT deve escolher duas instituições membros da Rede ODS Brasil para coordená-lo, tendo como critérios o desempenho e o comprometimento de cada instituição com o coletivo e a sua representatividade no tema.

  • As instituições membros que compõem o GT podem e devem avaliar periodicamente o desempenho das instituições que a coordenam e rever suas indicações a qualquer tempo.

  • Compete às instituições coordenadoras de GT: animar o grupo; zelar pelo cumprimento de seu calendário de reuniões e execução do plano de ação; realizar a representação institucional da Rede ODS naquele tema; executar atividades administrativas; encaminhar os registros de atividades para a Comissão de Articulação.​​


AS COMISSÕES DE ARTICULAÇÃO MUNICIPAIS E ESTADUAIS

1. Como são formadas?

Pelas instituições que coordenam os GT.

2. Como funcionam?

  • As Comissões de Articulação Municipais e Estaduais reúnem periodicamente para compartilhar as experiências e ações dos GT.

  • Compete às Comissões de Articulação Municipais e Estaduais: fomentar o fortalecimento da Rede ODS por meio da articulação dos GT e dos municípios; executar atividades administrativas; encaminhar o registro de atividades para a Comissão Nacional de Articulação.​

A COMISSÃO NACIONAL DE ARTICULAÇÃO

1. Como é formada?

Por duas instituições de cada estado, com mandato de um Encontro Nacional a outro. No entanto, os estados podem e devem avaliar periodicamente o desempenho de suas representantes e rever suas indicações a qualquer tempo.

2. Como funciona?

  • A Comissão Nacional de Articulação reúne periodicamente (presencial e/ou virtualmente) para compartilhar as experiências e ações dos estados.

  • Compete à Comissão Nacional de Articulação: fomentar a articulação e o fortalecimento da Rede ODS Brasil no âmbito nacional, por meio do estabelecimento de parcerias entre os estados; realizar a representação institucional da Rede ODS Brasil; acompanhar e avaliar as Redes ODS Estaduais e Municipais.